PT/Prabhupada 0072 - O Dever do Servo é Render-se

From Vanipedia
Jump to: navigation, search
Go-previous.png Página anterior - Video 0071
Próxima Página - Video 0073 Go-next.png

Servant's Business is to Surrender - Prabhupāda 0072


Lecture on CC Madhya-lila 20.108-109 -- New York, July 15, 1976

Ninguém consegue ser amo. Isso não é possível. Vocês encontrarão esta instrução, ekale īśvara kṛṣṇa āra saba bhṛtya (CC Adi 5.142). Só Kṛṣṇa é o amo e os outros são servos. Realmente, essa é a nossa posição. Mas artificialmente tentamos tornar-nos amos. Essa é a árdua luta pela existência. Fazemos esforços por algo que não somos. Conhecemos estas frases, "árdua luta pela existência, "a lei do mais forte." Isto é penoso. Não somos os amos, porém, tentamos ser amos. Na filosofia Māyāvāda, eles também se submetem a um severo tipo de austeridades, de penitências. Mas qual é o objectivo? O objectivo é "tornar-me- uno com Deus." O mesmo erro. O mesmo erro. Eles não são Deus mas tentam ser Deus. Apesar de executarem muitas austeridades severas, vairāgya, renuncia, e muitas mais... Por vezes, eles abandonam tudo o que proporciona desfrute material e vão para a floresta para se submeterem a um severo tipo de penitências. E qual é o objectivo? "Agora, vou tornar-me uno com Deus." O mesmo erro. Māyā é tão forte, que estes erros ocorrem mesmo quando a pessoa é muito avançada na assim chamada espiritualidade. Não. Por isso, Caitanya Mahāprabhu assinala imediatamente o cerne da questão em Suas instruções. Essa é a filosofia de Caitanya Mahāprabhu. Quando Kṛṣṇa profere a última instrução, sarva-dharmān parityajya mām ekaṁ śaraṇaṁ vraja.. (BG 18.66). Ele fala desde a posição de Kṛṣṇa a Suprema Personalidade de Deus. Ele pede, exige, "Seu canalha, abandona tudo. Rende-te a Mim. Então serás feliz." Essa é a última instrução do Bhagavad-gītā. Caitanya Mahāprabhu, que é o próprio Kṛṣṇa mas actuando como um devoto de Kṛṣṇa, diz a mesma coisa que Kṛṣṇa diz, "Rende-te," e Caitanya Mahāprabhu disse, "Todas as entidades vivas são servas de Kṛṣṇa." Isto quer dizer que devem render-se. A obrigação do servo é render-se, não argumentar com o amo e exclamar, "Sou igual a ti." São todos fanáticos com uma proposta de lunáticos.

piśācī pāile yena mati-cchanna haya
māyā-grasta jīvera se dāsa upajaya

O servo não pode tornar-se amo. Isso não é possível. Mas logo que... Enquanto persistimos neste conceito errado de vida, "Eu sou o mestre; eu sou o servo, "desculpem, "Eu não sou o servo, eu sou o amo," sofreremos. Māyā dará sofrimento. Daivī hy eṣā. Tal como os fora de lei, os manhosos e os ladrões que desafiam a ordem governamental: "Não me importa o que o governo diz." Mas isso quer dizer que ele, voluntariamente, aceita sofrer. Ele tem que aceitar a lei governamental. se não aceitar, e se se tornar um fora de lei, será posto na cadeia e à força, levando porrada ou sendo castigado tem que aceitar: "Sim, sim, eu aceito."

É assim que māyā funciona. Daivī hy eṣā guṇamayi mama māyā duratyayā (BG 7.14). Estamos sob a direcção de māyā. Prakṛteḥ kriyamāṇāni guṇaiḥ karmāṇi sarvaśaḥ (BG 3.27). Porquê? Porque declaramos que somos amos. Quando o servo declara que é o amo, sofre. Logo que aceitamos, "Não sou o mestre, sou o servo," o sofrimento para. Esta é uma filosofia muito simples. Isso é mukti. Mukti quer dizer estar na plataforma correcta. Isso é mukti. A palavra mukti está definida no Śrīmad-Bhāgavatam, muktir hitvā anyathā rūpaṁ svarūpeṇa vyavasthitiḥ (SB 2.10.6). Mukti quer dizer que abandonamos as ideias absurdas, anyathā. Ele é o servo mas pensa que é o mestre. Isso é anyathā, o oposto. Quando a pessoa abandona o conceito oposto de vida, pensando que é amo, chega a mukti; liberta-se imediatamente. Não demora assim tanto tempo para alcançar mukti. Não temos que submeter-nos a austeridades severas ou ir para a floresta, ou para os Himalayas e meditar, e pressionar o nariz, e fazer tantas outras coisas. Não necessita tantas coisas. Devemos compreender algo muito simples, "Eu sou servo de Kṛṣṇa" - somos imediatamente mukta. Essa é a definição de mukti dada no Śrīmad-Bhāgavatam. Muktir hitvā anyathā rūpaṁ svarūpeṇa avasthitiḥ. Assim como um criminoso, que está na cadeia, quando se torna submisso, "A partir de agora irei obedecer à lei. Obedecerei às leis do governo com muita submissão," por vezes ele é libertado antes do tempo, devido à sua declaração. Nós podemos libertar-nos da cadeia da existência material se aceitarmos o ensinamento de Caitanya Mahāprabhu, jīvera svarūpa haya nitya kṛṣṇera dāsa (CC Madhya 20.108-109).