Please join, like or share our Vanipedia Facebook Group
Go to Vaniquotes | Go to Vanisource | Go to Vanimedia


Vanipedia - the essence of Vedic knowledge

PTBR/Prabhupada 0982 - Assim que obtemos um carro, por mais podre que ele seja, achamos que é muito bom

From Vanipedia


Assim que obtemos um carro, por mais podre que ele seja, achamos que é muito bom
- Prabhupāda 0982


720905 - Lecture SB 01.02.06 - New Vrindaban, USA

Então Bhagavata diz yasyātma-buddhiḥ kuṇape tri-dhātuke, Eu não sou esse corpo. Isto é um veículo. Assim como nós andamos de carro, dirigimos o carro. Eu não sou esse carro. Da mesma forma, este é um yantra, carro, carro mecânico. Kṛṣṇa ou Deus me deu este carro, eu queria isso. Isso é declarado no Bhagavad-gītā, īśvaraḥ sarva-bhūtānāṁ hṛd-deśe 'rjuna tiṣṭhati (BG 18.61). "Meu querido Arjuna, o Senhor como Paramātmā está sentado no coração de todos." Bhrāmayan sarva-bhūtāni yantrārūḍhāni māyayā (BG 18.61): "e Ele está dando oportunidade à entidade viva de viajar, vagar" sarva-bhūtāni, "todo o universo." Yantrārūḍhāni māyayā, andando de carro, dirigindo um carro dado pela natureza material. Portanto, nossa posição atual é que eu sou alma, eu recebi um bom carro - não é um bom carro, mas assim que obtemos um carro, por mais podre que ele seja, pensamos que é muito bom, (risos) e nos identificamos com esse carro. "Eu tenho esse carro, eu tenho aquele carro." A pessoa se esquece... Se alguém dirige um carro muito caro, ele se esquece de que ele é um homem pobre. Ele pensa que "eu sou esse carro". Isso é identificação.

Assim yasyātma-buddhiḥ kuṇape tri-dhātuke sva-dhīḥ kalatrādiṣu bhauma ijya-dhīḥ (SB 10.84.13). Aquele que pensa neste corpo como ele mesmo, como o próprio eu e relações corporais, sva-dhīḥ, "Eles são meus. Meu irmão, minha família, minha nação, minha comunidade, minha sociedade," tantas coisas, meu, eu e minha. Equívoco do "eu" como este corpo e equívoco do "meu" em relação ao corpo. Yasyātma-buddhiḥ kuṇape tri-dhātuke sva-dhīḥ kalatrādiṣu bhauma ijya-dhīḥ (SB 10.84.13). Bhauma ijya-dhīḥ, bhūmi, bhūmi significa terra. Ijya-dhīḥ, ijya significa adorável. Então, no presente momento, é fortemente concebido que "eu sou esse corpo," e "Eu sou americano", "Eu sou indiano", "Eu sou europeu", "Eu sou hindu", "Eu sou muçulmano", "Eu sou brāhmaṇa", "Eu sou kṣatriya", "Eu sou śūdra", "Eu sou isso, aquilo...", tantos. Isso é muito forte e bhauma ijya-dhīḥ, isso porque eu estou me identificando com um certo tipo de corpo, e de onde o corpo saiu, a terra é adorável. Isso é nacionalismo. Assim yasyātma-buddhiḥ kuṇape tri-dhātuke sva-dhīḥ kalatrādiṣu bhauma ijya-dhīḥ (SB 10.84.13), yat-tīrtha-buddhiḥ salile, e tīrtha, local de peregrinação.

Nós vamos, tomamos banho no rio, como os cristãos, eles tomam banho no Rio Jordão, ou hindus, eles vão para Hardwar, tomam banho no Ganges, ou Vṛndāvana, tomam banho. Mas eles pensam que tomando banho naquela água, seu trabalho... seu trabalho está terminado. Não. Na verdade, o trabalho é ir a tais peregrinações, lugares sagrados, para descobrir, experimentar, avanço espiritual. Porque muitos homens espiritualmente avançados, eles vivem lá. Portanto, deve-se ir a esses lugares e descobrir o transcendentalista experiente, e aprender com ele. Isso é real peregrinação. Não que simplesmente ir e tomar banho, e negócio terminado. Não. Então

yasyātma-buddhiḥ kuṇape tri-dhātuke
sva-dhīḥ kalatrādiṣu bhauma ijya-dhīḥ
yat-tīrtha-buddhiḥ salile na karhicij
janeṣv abhijñeṣu...
(SB 10.84.13)

Abhijñe, aquele que sabe. Devemos nos aproximar de uma pessoa que conhece as coisas muito bem, abhijñaḥ. Kṛṣṇa é abhijñaḥ, svarat. Então, da mesma forma, o representante de Kṛṣṇa também é abhijñaḥ, naturalmente. Se alguém se associa com Kṛṣṇa, se ele fala com Kṛṣṇa, ele deve ser muito abhijñaḥ, muito instruído, porque ele toma lições de Kṛṣṇa. Portanto... o conhecimento de Kṛṣṇa é perfeito, portanto, porque ele recebe conhecimento de Kṛṣṇa, seu conhecimento também é perfeito. Abhijñaḥ. E Kṛṣṇa fala. Não é que seja fictício, não. Kṛṣṇa - eu já disse - que Kṛṣṇa está sentado no coração de todos e Ele fala com a pessoa fidedigna. Assim como um homem grande, ele fala com uma pessoa fidedigna, ele não desperdiça seu tempo falando com bobagens. Ele fala, isso é um fato, mas Ele não fala bobagem, Ele fala com o representante fidedigno. Como se sabe? É afirmado no Bhagavad-gītā, teṣāṁ satata-yuktānām (BG 10.10), aquele que é um representante fidedigno.